Anterior

Próximo

Artigo

Música

Ver perfil

A Música Brasileira e sua Banalização

A música brasileira é indiscutivelmente considerada como uma das melhores do mundo.  Porém, nos últimos anos o que se tem visto e ouvido, são cada preciosidade de dar dó e dor de cabeça. A invasão das mulheres frutas e seus “sucessos” regados a corpos estonteantes de deixar qualquer marmanjo de queixo caído são apenas mais uma dessa “nova safra”. A banalização da música brasileira é tão notória e crucial que no caso dos “sucessos” das mulheres frutas não estão nas músicas “riquíssimas em letras”, mas, puramente na exposição de seus corpos bem atrativos para o público masculino bem como para a mídia que sabe muito bem explorá-la.

 E o que dizer das letras de forró que hoje se tornaram um vício não somente no nordeste, mas, em todo o Brasil? Pura e simplesmente, recheadas de sacanagens, que me perdoem caros leitores, mas, no momento não há outro adjetivo para dar ao que hoje se chamam e as consideram como música. Duplo sentido? Que nada, isso já foi pro o espaço. É triplo sentido mesmo. E as danças que foram “estilizadas” adequadamente para as letras?  Imagine um pobre coitado que tiver a perigo vendo essas belas dançarinas em ação no palco? É melhor não prosseguir a diante.

Tem até bandas que se especializaram nessa nova tendência de “música”. O forró, um estilo lindo de se ouvir e também de se dançar que tem como ícones: Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Flávio José, Dominguinhos, Nando Cordel, Jorge de Altinho e tantos outros, hoje passa por um processo de identificação. Não que o verdadeiro forró tenha perdido suas características no tempo. Não é isso.

E a Bahia, de todos os santos? Esse Estado com tantos filhos nobre da Música Popular Brasileira, que a cada  verão, é lançada uma nova “preciosidade” e, que por incrível que pareça,  faz o maior sucesso, principalmente durante o carnaval.  E há quem jure que àquilo é música.

Sabe aquele velho ditado que gosto cada um tem o seu? Com certeza, porém, não se pode também fingir que “essas jóias raras” não existam, é impossível. Infelizmente elas existem e estão por aí, quem sabe, perturbando agora o seu sossego? Ir a um bar ou restaurante em algumas cidades, irás encontrar o menu musical pra lá de indigesto. E os carros de som que além da péssima música que insistem em colocar na mais alta potência não respeitando os órgãos públicos em seus horários de expediente, não respeitando mais a lei do silêncio e nem a população.  Realmente, é degradante.

Ah! As verdadeiras músicas de forró ainda vivem. Para os mais desavisados, os xotes cantados por Flávio José, Jorge de Altinho  Nando Cordel alegram a nossa alma.

Publicado por: Nome completo

Voltar